Aproveite a iluminação natural em casa

Selecionamos as principais dicas para escolher a cortina de acordo com cada necessidade

Texto Natália Sá | Ilustração: Shutterstock | Adptação web Caroline Svitras

A luz natural cumpre um papel muito importante em qualquer ambiente, pois, além de ser um recurso sustentável e auxiliar na economia de energia, ainda evita o mau cheiro, a propagação de mofos e bactérias, colaborando na prevenção de doenças.

Mas, quando o sol invade com tudo, se não houver soluções para diminuir as altas temperaturas indesejáveis, o calor pode provocar uma sensação de espaço “abafado”. Uma solução bastante comum é apelar para as cortinas, que amenizam a luminosidade, o calor e ainda proporcionam privacidade. “As cortinas são extremamente importantes para equilibrar a entrada da luz do sol nos ambientes. Ela ajuda a regular o aquecimento ou resfriamento e propicia conforto até durante o sono, pois tem a função de bloquear os primeiros raios solares do dia”, ensina Carol.

Mas você sabe qual é o modelo ideal para cada ambiente? Antes de escolher é essencial ter em mente que o excesso de raios solares também é prejudicial aos móveis e até aparelhos eletrônicos, que podem superaquecer e ter o seu funcionamento comprometido. E a falta de iluminação natural pode deixar o espaço escuro. Por isso, é fundamental levar em consideração o tipo, tecido e o tamanho adequado para cada ambiente. Confira algumas dicas que a Decorar Mais por Menos preparou!

 

 

O que levar em conta

Antes de definir o modelo é importante avaliar se a cortina deve: filtrar a luz, trazer privacidade, proteger os móveis e eletrodomésticos ou decorar. Se for uma sala sem televisor, por exemplo, um tecido mais fino pode ser o suficiente. Já para a sala de TV ou dormitórios, os modelos mais pesados ou com forros ajudam a diminuir a incidência de luz diretamente nas telas e deixam o local aconchegante.“Cada uma pode colaborar em vários sentidos. As cortinas com tecidos mais grossos, por exemplo, mantêm o cômodo mais aquecido no inverno, e as com forro auxiliam no bloqueio do calor no verão”, explica Jaqueline Medeiros, designer da Bella Janela.

Qual é o tamanho ideal?

Apesar de não existir uma regra, antes de comprar, verifique se as medidas são compatíveis com a janela. Para evitar que a luminosidade passe pelas laterais, garanta que o tecido tenha pelo menos 20 cm a mais de cada lado se for um tecido mais leve. No caso das cortinas mais pesadas, considere no mínimo 10 cm a mais. “Para a altura, a cortina deve ir até o chão com sobra de 1 a 2 cm. A barra também deve ser feita sobrando no mínimo 10 cm de tecido, para fazer peso na base da peça e mantê-la no lugar quando existir algum vento leve ou brisa”, afirma Carol Rivelli.

 

Forro ou não?

A principal função do forro ou dos chamados blackouts é bloquear ou minimizar a incidência de luz. “Geralmente quando optar por tecidos mais leves, como o voil, seda ou qualquer outro que seja mais transparente, e for instalar em local que precise de um controle de luminosidade, deve ser utilizado o forro”, explica a arquiteta Carol. “Ele bloqueia a luz em até 100% no caso do PVC e em até 80% no caso do poliéster”, completa. Outra vantagem é que eles deixam o cômodo com a temperatura mais agradável, colaborando para o descanso.

Sobre as cores

Sabia que as cores da cortina também podem influenciar na temperatura do ambiente? Os tecidos escuros tendem a absorver mais a temperatura e acabam deixando o cômodo mais abafado – sem contar que, quanto mais escuro, maior a chance de desbotar com o tempo. Por isso, os modelos mais claros e sem estampas resultam em ambiente mais fresquinho. E, se o cômodo for mais escuro, ajudam até a deixá-lo visualmente mais claro e, consequentemente, amplo. Mas se quiser optar por um modelo colorido, não se esqueça: é essencial que os tons harmonizem com a paleta de cores presente no restante do ambiente.

 

Revista Decorar Mais por Menos Ed. 68