Abrigar animais em apartamentos pequenos

É possível dividir o apê pequeno com os bichos de estimação sem medo! Confira dicas valiosas para a harmonia reinar

Por Flávia Firmino | Fotos: Shutterstock

Se engana quem pensa que com a metragem enxuta não é possível adotar um mascote para encher os dias de alegria. Com simples soluções você pode decorar o ambiente sem se preocupar com arranhões, mordidas e bagunça. A regra é adaptar o espaço para acomodá-los. Evite peças quebráveis ao alcance dos bichos – substitua abajures por luminárias de teto e vasos de vidro pelos feitos de materiais resistentes. Mesmo a bancada da cozinha pode ser alvo da curiosidade felina, por isso, deixe eletrodomésticos e utensílios guardados. “Vale até embutir o escorredor de louça no armário superior”, sugere o arquiteto Fabrício Forg.

 

Espaço próprio

Cães e gatos precisam de um canto reservado unicamente a eles, com casa ou cama para descanso. “O cômodo a ser usado é uma decisão familiar e indiferente ao mascote, no entanto, não é indicado mudá-lo constantemente. Se sempre ficou no quarto, será difícil se acostumar à área de serviço”, alerta Carolina Rocha, especialista em comportamento animal. É interessante criar pontos especiais em cada ambiente, com futons, por exemplo, para que possam se acomodar em todos os espaços ao acompanhar o dono pelo apê.

 

Comportamento

Os pés dos móveis são alvos fáceis das mordidas caninas e do instinto de afiar as garras do gato. Se você não pode investir em modelos com a base cromada, existem outras soluções. Para o cão, crie um nicho com brinquedos próximo à peça que ele costuma morder para que se distraia sem estragar o móvel. Outra dica é levá-lo para passear todo dia, evitando o estresse do animal. Já os felinos destroem com as garras. A saída é envolver os pés com corda sisal, impedindo que eles afiem as unhas direto no mobiliário. Outro problema comum é o costume dos bichos de urinar na base dos móveis. Para eliminar o hábito, use fita dupla face colada em volta do suporte da peça, pois os pelos grudam, o que deixa o animal desconfortável.

 

 

Disposição certa

As tigelas de ração e água e a caixa de areia do bichano devem estar separadas umas das outras. Ração e água podem até compartilhar o mesmo cômodo, mas em lados opostos. Já a caixa de areia precisa ficar longe de ambas, onde não haja passagem regular de pessoas ou outros animais. Um dos motivos de o gato urinar em lugares inapropriados é por não gostar de seu ponto de eliminação. Cães são menos criteriosos: comida e água podem ficar próximas, mas o ponto de eliminação distante, sem restrição quanto ao lugar.

 

Limpeza

Muito asseio pode afetar a saúde do animal. A faxina deve ser feita uma vez por semana. Caso o bicho suje algum espaço, faça a higiene imediata com produto neutro. Nunca use substâncias com base em amônia. “Em seus componentes há um de cheiro muito semelhante ao da urina dos animais, que nós não sentimos mas, como o olfato de cães e gatos é muito aguçado, faz com que sintam a necessidade de marcar território após a aplicação do produto”, explica a especialista. Para limpar a caixa de areia do gato e tirar o odor por completo, use água quente e vinagre.

 

Revista Decorar Mais por Menos Ed. 47

Adaptado do texto “Lar de cães e gatos”